TUI NA

Tui Na nos distúrbios músculo-esqueléticos

O nome Distúrbio Osteo-Muscular Relacionado ao Trabalho é relativamente novo, mas as Lesões por Esforços Repetitivos – LER, que agora são designadas pela sigla DORT – continuam sendo a segunda causa de afastamento do trabalho no Brasil.

A Organização Mundial da Saúde estima que de cada 100 trabalhadores na região Sudeste, um é portador de DORT. Considerado o pai da Medicina do Trabalho, o italiano Bernardino Ramazini, em 1700, já estudava o problema que acometia, principalmente, os escribas. Atualmente, os especialistas calculam que de 10% a 20% dos usuários de computador correm o risco de desenvolver os sintomas do DORT. Além dos digitadores, a lista inclui, por exemplo, músicos, operários em linha de montagem e operadores de caixas registradoras. As tendinites são a queixa mais freqüente e respondem pelo maior número de solicitações de indenizações junto à Justiça trabalhista. O risco de tendinites de mão e punho é cerca de 29 vezes maior em pessoas que executam tarefas altamente repetitivas do que naquelas que trabalham de forma lenta e com movimentos diferenciados.

A Massoterapia Chinesa – massagem terapêutica – combate as tensões e estresse decorrentes do excesso de trabalho e, por isso, é uma forte aliada da medicina oriental na prevenção e no tratamento do DORT. A técnica de massagem conhecida como Tui Na permite atingir pontos específicos dos meridianos chineses para cada distúrbio, levando à liberação de neuropeptideos com ação analgésica e sedativa como as endorfinas.

A medicina oriental tem apresentado excelentes resultados, com sessões de massoterapia duas a três vezes na semana. Além de proporcionar um profundo relaxamento da musculatura envolvida na lesão, a Tui Na atua sobre todos os canais energéticos do organismo. Essa terapia também age preventivamente, combatendo as tensões e estresses decorrentes do excesso de trabalho.

As manobras de alongamento, que são fundamentais na prevenção e tratamento das dores, fazem parte dos recursos da Tui Na. Em média, uma sessão dura de 50 a 60 minutos e um tratamento recomenda pelo menos 10 sessões. Muitas vezes pode-se associar a massoterapia chinesa à fisioterapia para obter resultados mais rápidos e duradouros. Na fase aguda, pode ser necessária a utilização de medicamentos antiinflamatórios e imobilização da articulação.

O tratamento deve buscar, além da melhora do quadro clínico, que o paciente possa voltar à rotina sem apresentar sintomas de dor. Esse retorno deve ser acompanhado por mudanças ergonômicas no ambiente de trabalho, ou uma readaptação do doente em outra atividade que não apresente os fatores biomecânicos envolvidos na lesão. O repouso é fundamental para o tratamento, o paciente deve ser afastado de suas atividades com o objetivo de evitar movimentos que causem dor ou outros sintomas.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *